gamificação

Gamificação nas empresas: como utilizar nas estratégias de marketing

Três a cada quatro brasileiros se divertem com jogos eletrônicos, e as empresas podem se aproveitar da gamificação

Os jogos têm um grande potencial de prender a atenção das pessoas. Não à toa, três de cada quatro brasileiros se entretém desta forma, segundo a pesquisa Game Brasil, realizada no início de 2018.  

De acordo com o estudo, 75,5% dos brasileiros se divertem com jogos eletrônicos, independentemente da plataforma – sendo que o celular é o item mais utilizado para tal, seguido pelos consoles e computadores, respectivamente.

Esta questão, talvez, já tenha passado pela sua mente: por que podemos ficar horas a fio concentrados em um jogo e sofremos para manter a atenção a um texto de duas páginas? Foi, provavelmente, uma pergunta deste tipo que levou a lógica dos games a ser aplicada para outros fins, inclusive no meio empresarial – onde se encontra o marketing. Isso faz parte da gamificação nas empresas.

O que é gamificação

A gamificação nas empresas vai direto ao ponto: ela tenta repetir os conceitos usados em jogos tanto na educação (simplificando o aprendizado de conteúdos complexos ou fazendo com que as pessoas possam simular situações que serão vividas no dia a dia) quanto para fins corporativos, como o marketing.

Ao adotar esta técnica, que aplica princípios, lógicas e conceitos dos games em outros contextos, é possível despertar interesse, aumentar a participação e o engajamento de clientes, parceiros e defensores em atividades, promover diálogos e desenvolver um relacionamento mais fidelizado.

Trata-se de uma tendência, que costuma gerar grandes resultados dentro do marketing digital.

No entanto, não há necessidade de que a companhia desenvolva um jogo exclusivo para que a estratégia seja utilizada. É possível pensar em regras, mecanismos, bonificações, gerando uma espécie de concorrência entre as pessoas, sem necessariamente criar um game específico para tal – o que demandaria muitos investimentos. Por óbvio, se a empresa tiver condições, esse tipo de estratégia tende a oferecer resultados muito positivos.

Em geral, a empresa pode propor desafios e missões, que, se cumpridas, resultarão em prêmios ou distintivos a partir de rankings e pontuações, dentro de um determinado período.

gamificação nas empresas

Gamificação no marketing

Basicamente, a empresa pode inserir em sua estratégia atividades que levem o público a interagir com a empresa e com os seus amigos, especialmente dentro das redes sociais.

Estima-se que o Facebook tenha 100 milhões de usuários em um universo de quase 210 milhões de habitantes do Brasil – portanto, não é exagero afirmar que cerca de metade da população pode ser encontrada nesta plataforma de interação social.

Se você está no meio futebolístico, poderia sugerir um game para a montagem de seleções; se você trabalha em moda, um manequim que vai sendo criado; ideias, nas diferentes áreas, não faltam.

Ao elaborar gincanas e pequenos desafios, a empresa faz com que a sua imagem se dissemine pelo meio virtual por meio dos compartilhamentos e, ao mesmo tempo, o engajamento de seus seguidores cresça na mesma proporção, captando e fidelizando novos seguidores e possíveis leads.

A partir da gamificação, a companhia estimula a realização de tarefas em troca de recompensas ou de reconhecimento – de preferência, de forma natural. E o melhor: isso acontece sem que as pessoas percebam que estão sendo influenciadas por uma companhia.

Benefícios ao adotar Gamificação no Marketing

  1. Aproximação entre a empresa e o público – Muitas companhias buscam conquistar e fidelizar os seus clientes, o que se torna muito mais simples com esse tipo de estratégia, que gera empatia e interesse pela marca.
  2. Interação de verdade entre companhia e público – Foi-se o tempo no qual apenas a empresa falava. É preciso estar atento ao que o público diz e esse tipo de estratégia é multilateral.
  3. Enorme potencial de compartilhamento – Se o jogo demanda que você peça vidas a amigos ou que compartilhe alguma informação para obter novos avatares, é muito provável que os mais engajados o façam. Isso resulta em mídia espontânea e mais interessados.
  4. Uma empresa mais conhecida – Sua empresa passa a ser reconhecida para muitas pessoas que nem sequer a conheciam a partir do compartilhamento e da fidelização dos consumidores. Portanto, pode ser um novo mecanismo para se aproximar de um novo perfil de público.

Como fazer e utilizar a gamificação em uma empresa?

Agora que você já sabe os benefícios que a gamificação pode trazer para o seu negócio, é preciso saber como utilizá-la. 

A seguir, separamos algumas dicas:

1. Conheça a sua persona

Após a definição do problema para a elaboração da gamificação,o primeiro passo agora é entender quem são os jogadores que, no caso, são as personas.

Estas representam os desejos, as necessidades, motivações e expectativas do seu público e, quando observadas de forma eficiente, ajudam no desenvolvimento de produtos e serviços de acordo com as experiências analisadas. 

Conhecer o comportamento da sua persona garante mais eficiência nas estratégias da gamificação.

> Leia mais: Comunidade de Marca: Por que sua empresa precisa ter uma?

2. Crie uma história envolvente

Sabemos que qualquer pessoa é atraída por uma boa história, principalmente em que existam protagonistas nos quais podemos nos identificar. 

Nesse caso, é importante criar um enredo no qual os usuários estejam realmente envolvidos.

3. Faça a divisão dos níveis

Nesse ponto, o estabelecimento de níveis pode fazer com que o usuário engaje ainda mais. 

Sabemos que o fato de executar determinados objetivos e passar de nível gera um sentimento de reconhecimento e satisfação pelo usuário, o que colabora para que o mesmo continue a jogar.

4. Realize contagem regressiva

Estipular um tempo limite para o cumprimento do jogo é uma técnica bastante utilizada na gamificação. 

Quando você faz isso, é ativado um senso de urgência ao usuário, criando uma motivação para que ele consiga cumprir o objetivo de forma rápida. 

Caso seja feito, o sentimento de competência é ativado.

5. Ofereça emblemas aos jogadores

Partindo da ideia de que os usuários se sentem mais satisfeitos quando reconhecidos, é muito importante que o jogador “ganhe algo em troca”. 

Além de oferecer ainda mais valor ao conteúdo, esse processo poderá incentivar os usuários a exibirem os emblemas que foram conquistados, e ainda pode incentivar estrategicamente o compartilhamento do material de forma orgânica.

6. Invista em Ranking

O ranking também traz uma ideia de reconhecimento. 

Mais do que isso, ele oferece uma certa competitividade entre os jogadores, deixando-os mais ativos e mais engajados com o game.

7. Faça com que os usuários sintam que estão no controle

Como a ideia da gamificação é levar o usuário para um destino, é essencial que o jogador sinta que todas as decisões que o levaram até ali tenham sido tomadas unicamente por ele, facilitando o progresso do lead pelo funil de vendas.

8. Estimule o otimismo durante todas as etapas

Como já sabemos, ninguém gosta de situações negativas e/ou desagradáveis. 

Por isso, partindo do objetivo de tornar o usuário livre para traçar o seu destino na gamificação, invista em estratégias para que todo o cenário não o torne desestimulado a continuar com o conteúdo oferecido.

Conforme dito acima, “não existe almoço grátis”. Ou seja, o jogador precisa cumprir etapas e realizar determinados esforços para que possa ser valorizado.

Nesse caso, é bastante interessante frisar a ideia dos rankings, permitindo que o placar considere amigos ou até mesmo pessoas do mesmo nível. 

Dessa forma, caso haja um baixo rendimento do usuário na gamificação, o ranking não precisa apontá-lo como um jogador ruim em relação a situação geral de competidores, evitando que o usuário desanime no processo.

O marketing de defensores e a gamificação

Dentro do marketing de defensores, a gamificação pode ser ainda mais efetiva. O motivo? Para integrar essa estratégia, as pessoas precisam ter sido selecionadas, seja por ser um cliente fiel, por entregar feedbacks constantes, entre outras possibilidades.

Portanto, trata-se de uma competição entre pessoas que já estão engajadas e que, provavelmente, se motivam por um certo grau de competitividade, sobretudo se houver algum agradecimento ao fim.

Nesse contexto, a gamificação, aliada a um programa de reconhecimento da corporação, pode fazer com que a sua companhia aumente sua visibilidade nas redes sociais.

Imagine uma competição, na qual as pessoas que sigam as orientações da companhia vão subindo de nível e sejam reconhecidas com o passar do tempo.

Isso vai fazer com que haja uma disputa natural entre os seus defensores e, como consequência, o seu conteúdo e as informações de sua companhia vão se disseminar pela internet, atraindo mais e novos potenciais defensores.

Se a estratégia pode ser interessante para a sua companhia, pense em cinco passos:

  1. Regras fixas e claras

Ninguém gosta de algo que mude ao longo do período estabelecido. Além disso, elas precisam ser claras e de fácil entendimento.

  1. Resultados variáveis

Os reconhecimentos e novidades precisam vir a cada vitória ou desafio vencido. Isso permite que as pessoas se estimulem e busquem crescer dentro do jogo.

  1. Mensure resultados

Incentive a competitividade. É preciso que os jogadores saibam quais foram os melhores desempenhos e quais são os graus de pontuação que precisam ser atingidos. Também é possível estabelecer premiações para os melhores desempenhos.

  1. Não existe almoço grátis

O jogador precisa fazer algum tipo de esforço para ser valorizado. Por isso, é importante conhecer o seu público e saber quais os tipos de desafios estariam dispostos a fazer.

  1. Faça temporadas

As temporadas e fases precisam ser reativadas dentro de um período específico (estipulado nas regras). Dessa forma, todos os interessados precisam competir novamente em prol dos benefícios.